quinta-feira, 6 de setembro de 2018

CONFRARIA CHICO MINEIRO (Brasília-DF)

NOS DOMÍNIOS DE CHICO

Estive em Salvador novamente e, mais uma vez, retornei ao DON PAPITO, um bar/restaurante que faz valer a viagem até Piatã para se provar um polvo que já é lenda. Realmente notável o polvo com batatas servido por lá, uma casa simples e familiar frequentada em grande parte pelos fãs de lambretas, molusco bastante apreciado pelos soteropolitanos.

Polvo
Por motivos óbvios, Salvador é um bom lugar para se provar frutos do mar, e aproveitei para experimentar o famoso arroz de polvo do tradicional BOTECO DO FRANÇA. Mas esperava mais, tem queijo na receita deles, nada a ver. Mas ruim não é, enfim...O fato é que em Salvador a gente vai invariavelmente a lugares mais simples que os de Brasília, gasta menos e pode comer e beber bem, se for aos lugares certos, pois 'pega-turista' não falta por lá!

Comer e beber bem, num lugar transado, e gastando pouco, é tarefa quase impossível em Brasilia. Parece ser proibido por lei que um lugar simples, com bons 'comes e bebes', seja tb transado por estas bandas (...). Há honrosas exceções, como o já tradicional BAR BRASÍLIA.
A CONFRARIA CHICO MINEIRO, no início da asa norte, se por um lado não tem um ambiente charmoso e com um pouco mais de conforto, por outro lado serve pratos e petiscos de prima a bons preços.



No almoço, há 4 ou 5 opções que vão mudando todo dia, e sempre há um prato com salada + carne (bovina/frango/peixe) + legumes + omelete. Às sextas e sábados, feijoada e mexidão. À noite, além de uns poucos pratos para quem quer jantar, há cervejas e cachaças para escoltar uma grande lista de petiscos. Chico destaca as iscas de linguado empanadas com molho rosê. Realmente muito bom. Fazem meia porção de alguns petiscos.

Chico e Meg, os donos


Almocei várias vezes no CHICO e comi bem em todas elas. Comida bem feita e tempero bom, artes da Meg, Chef, sócia e esposa de Chico, o dono que dá nome à casa. Meg é nissei e a cozinha do CHICO tem uma pegada oriental, revelada em alguns preparos oferecidos. O simpático funcionário aposentado está sempre por lá, bom sinal. Serviço esforçado mas que pode ficar um pouco demorado em dias de maior movimento, o que por lá é quase todo dia;)



Mais recentemente, Chico e Meg adquiriram o ponto da antiga confeitaria DAS HAUS, e servem ali - CHICO MINEIRO CONFEITARIA E CAFÉ - o strudel de maçã que fez a fama daquela casa, além de outros doces. Como são lojas vizinhas, os doces da confeitaria são tb servidos nas mesas do restaurante.



Minas é um estado vizinho e Brasília sofre forte influência da cozinha daquele estado, que tem pontos de contato com a cozinha goiana. Muitos mineiros vieram e vem fazer a vida em Brasília. Quem nunca conheceu alguém de Unaí ou de Paracatu por aqui?! 
Chico um dia tb deixou Minas e veio fazer a vida aqui, e seu restaurante - de cozinha brasileira com pegadas mineira e oriental - é uma boa pedida para quem quer comer bem, e gastando pouco, perto do centro da cidade. 
Muito bom almoçar com os colegas de trabalho no CHICO, ou ir tomar 'umas' à noite ali, de onde se vê o jardim da quadra. Brasília, terra das super-quadras e sonho do mineiro JK. Brasília, onde os mineiros podem provar os sabores de Minas na simpática casa do conterrâneo Chico...

CONFRARIA CHICO MINEIRO

CLN 104

Cozinha - **1/2
Serviço - **
Preços - **1/2
Ambiente - **
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/regular
* - Sofrível







quinta-feira, 9 de agosto de 2018

GALETO DO LEBLON (Rio de Janeiro-RJ)

CARIOQUICES

Estive no Rio recentemente e me diverti como sempre. Apesar de todos os problemas, a capital fluminense esbanja beleza e charme. Há muito tempo que não ia ao histórico BAR LUIZ no centro, foi ótimo ter voltado. É uma viagem no tempo a gente ver uma foto do aniversário de 50 anos do bar em...1937! Nossa, a gente ver um monte de gente que já morreu numa foto que mostra as pessoas às vezes jovens ainda...pensar em seus filhos e netos, onde andarão...será que frequentam o BAR LUIZ? Sabem que seu avô (ou bisavô) está numa foto antiga por lá?!

BAR LUIZ

Outro lugar que vale a pena conhecer em se estando no centro do Rio (uma balbúrdia, prepare-se!) é a tradicionalíssima CONFEITARIA COLOMBO, que tem uma filial no Forte de Copacabana.
Deixando um pouco de lado casas vetustas, vale a pena conhecer a empreitada de Jair Coser - ex-dono do império FOGO DE CHÃO - no Rio, a moderna e linda churrascaria ASSADOR RIO'S, com a vista deslumbrante da baía de Guanabara e do Pão de Açúcar. Embora não seja o foco, não se deve deixar de provar os queijos finos do bufê;)


Jair Coser




ASSADOR

O Rio, ah o Rio...seus graves problemas e seu charme incomparável! Terra de bares emblemáticos e de petiscos que fizeram fama. No PAVÃO AZUL, vá de pataniscas de bacalhau; no ACONCHEGO CARIOCA, vá de bolinhos de feijoada, petisco nascido lá;) E a gente percebe que os bares simples do Rio são muitas vezes charmosos, o que parece ser proibido por lei em Brasília (...)
É interessante notar que o carioca come galeto de um jeito diferente do brasiliense. No Rio, não se vê o sistema de rodízio daqui e que é típico do sul do país. O carioca come um galeto com as guarnições servidas à parte. Invariavelmente, serve-se arroz, farofa e batatas fritas/portuguesas e molho à campanha. 




No coração do Leblon, hj o bairro mais caro do Rio, na região do lendário 'baixo' Leblon, território boêmio frequentado por jovens e artistas - e que eu acho que já teve dias melhores - marca presença há décadas o GALETO DO LEBLON, que serve um ótimo galeto e um pouco de tudo, além do chopinho que embala a boemia...



É sem dúvida uma experiência carioca das mais autênticas traçar um galeto acompanhado de um chopinho, sem dispensar a linguicinha na brasa que geralmente é oferecida de entrada;) O bom serviço e os preços razoáveis fazem do tradicional GALETO DO LEBLON uma ótima escolha. Ambiente simples mas refrigerado, o que faz diferença numa cidade como o Rio.


Fui muito ao GALETO DO LEBLON na época da Faculdade, e naquela época de grana curta era muito chope e pouca comida fora de casa. Lembro de um colega que gostava de pedir salsichão no GALETO, nunca mais o vi. Os anos 80 foram tempos difíceis para o país. E eu era só mais um jovem que vivia por ali, com os sonhos e esperanças próprios da idade, e sem saber ainda que Brasília me aguardava...



GALETO DO LEBLON

R. Dias Ferreira, Leblon
Rio de Janeiro-RJ

Cozinha - **1/2
Serviço - **+
Preços - **+
Ambiente - **+
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível







quarta-feira, 18 de julho de 2018

VARANDA PÃES ARTESANAIS (Brasília-DF)

ONDE A ASA FAZ A CURVA...

De vez em quando a gente dá sorte...ainda bem! Sábado tive um pouco mais de tempo pela manhã e decidi dar um pulo na (belíssima) padaria VARANDA, algo que geralmente faço na parte da tarde. Mas, naquela tarde isso não teria sido possível, e foi assim então que tive a sorte de poder comprar uns nacos do fenomenal queijo Gruy por lá!\o/
Pra quem não sabe, o Gruy é produzido em Corumbá de Goiás pelo suíço Stephan, é a jóia da coroa da sua linha, e só é produzido algumas vezes por ano. Até onde sei, só a VARANDA vende esse queijo aqui em Brasília...chega e acaba logo! Corumbá de Goiás, passei muito por lá indo pra Piri, tem um pouco de mim naquele salto...


Corumbá de Goiás

Cheio de personalidade, o Gruy é um queijo complexo e seguramente está entre os melhores queijos produzidos no país, coisa de mestre. Meio picante, lembra avelãs...Eu já estive na QUEIJARIA ALPINA (Fazenda pica-pau) - onde é feito o Gruy - em Corumbá, é um passeio bacana e diferente, recomendo:)


Gruy

As ondas gastrô vão vindo. Hamburguerias, padarias, cervejarias...Em Brasília não podemos nos queixar da variedade e da qualidade do que temos à nossa disposição. GENUÍNA HAMBURGUERIA, o pub LONDON STREET e a VARANDA são só alguns exemplos de ótimas casas na cidade!


GENUÍNA

A meu ver o padeiro Dilson Menezes está fazendo um trabalho exemplar à frente da VARANDA. Indo lá a gente nota logo que o cara tem paixão pela coisa e é facilmente encontrável na casa, algo que conta. Aos diversos pães de fermentação natural à venda, ele foi agregando queijos artesanais (brasileiros exclusivamente) e outros produtos gourmet. Resultado: A VARANDA hj é um lugar fácil de se chegar, mas difícil de se ir embora, tanta coisa gostosa que tem lá!;) Depois veio a reforma e o serviço de cafeteria e pratos rápidos (sandubas, etc.). Num dia quente, almoçar por lá um 'sanduba' de queijo com salada - acompanhado de uma taça de vinho, quem sabe - é uma ótima pedida. Pão da casa, claro! Dias quentes, estes não faltam por aqui...


Dilson

Dilson tem uma das grandes entrevistas da minha página no Face e me orgulho disso. Gosto muito do bolinho de banana, do pão de queijo com queijo d'alagoa (talvez o melhor do país!), da coalhada de leite de cabra do Edu (O REALEJO), das geléias da Renata Mandelli. O queijo d'alagoa curado (faixa dourada) - maturado em Alagoa-MG pelo Osvaldo Filho ('Osvaldin'), que o distribui país afora e tb vende pela Internet - é um ótimo presente. Tem muita coisa boa, enfim, e volta e meia tem um queijo novo, um pão novo...


Osvaldo Filho




Eu me apaixono por estabelecimentos volta e meia. A VARANDA é um deles...

VARANDA PÃES ARTESANAIS
CLN 215

Padaria - ***
Serviço - **1/2
Preços - **+
Ambiente - ***
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível

terça-feira, 26 de junho de 2018

BOTECO DO FRANÇA (Salvador-BA)

RIO VERMELHO

Toda cidade tem sua especificidade. Pontos fortes e fracos. De Salvador não se pode dizer que falta cultura local e vida nas ruas!;) Além do mais, pra quem gosta de história, museus e igrejas a cidade é um prato cheio. Estive por lá recentemente nas férias, por mais tempo até do que minha atração pela cidade sugere, e me atualizei bastante quanto ao assunto que mais me interessa: Bares e restaurantes. Fui a casas novas e revisitei casas que já conhecia.

Salvador

A cidade tem forte cultura local e muita vida. A pobreza infelizmente tb impressiona. E a culinária é rica: Cozinha do sertão, a do litoral e a de raízes africanas. O 'bobó' de camarão é pra mim um dos grandes pratos do país:)

Bobó

Um bom lugar para se introduzir nos fortes sabores da culinária baiana é o restaurante do SENAC no Pelourinho. Se a cozinha não chega a marcar, vale pela possibilidade de se experimentar logo vários pratos - além de doces - no farto bufê. E dali pode-se ir fazer a digestão dando um rolé pelo famoso Pelô;)

Restaurante do SENAC

Eu sou boêmio e, como não poderia deixar de ser, meu bairro preferido na capital baiana é o Rio Vermelho, nome que vem de umas pequenas flores...vermelhas que crescem ao longo do rio que corta o bairro. Romântico, não?... O Mercado, a Praça Caramuru e o Memorial A Casa do Rio Vermelho (onde o escritor Jorge Amado viveu por décadas) são referências por ali. O restaurante DONA MARIQUITA é uma boa pedida, fazem uma cozinha baiana de raiz e com personalidade por lá, vou querer voltar. Acarajé tem de Cira, de Dinha...

DONA MARIQUITA
Mercado


Aí, o dia foi cheio de programas, vc tá no quarto do hotel, o mar bate talvez ali perto, vc abre a janela, sopra uma brisa...a noite se aproxima e vai chegando a hora de vc conhecer o bar inescapável do Rio Vermelho, o curioso BOTECO DO FRANÇA.



Acho curioso porque lá dentro é arrumadinho e na parte de fora é um tremendo 'pé-sujo'! Já fui lá várias vezes em diversas visitas à cidade, e sem dúvida tomar 'umas' e petiscar no FRANÇA carne de sol, pititingas fritos ou queijo de coalho é uma das melhores experiências boêmias da cidade. Recomendo uma (cerveja) 'Serramalte' gelada por lá. Tem tb destilados para todos os gostos. Não é evidentemente lugar pra se tomar grandes vinhos. Entre os pratos, tem fama o arroz de polvo. Os pratos homenageiam personalidades/amigos da casa. Serviço eficiente e bons banheiros na parte de dentro. Preços razoáveis caso divida-se os pratos/petiscos, atenção, indo sozinho sai mais caro...



Autêntico e descontraído, o FRANÇA é a cara de Salvador, e a curiosa dicotomia entre seus ambientes externo e interno fazem dele um dos bares mais interessantes e queridos da cidade.
Salvador não é muito 'minha praia', mas reconheço que o Rio Vermelho e o BOTECO DO FRANÇA exercem algum fascínio sobre mim, e me dão vontade de voltar à nossa primeira capital "de temps en temps"...

BOTECO DO FRANÇA
Rio Vermelho
Salvador-BA

Cozinha/Bebidas - **1/2
Serviço - **+
Preços - **+
Ambiente - ** +
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível




domingo, 27 de maio de 2018

PUBLICAN BAR (Brasília-DF)

REFLEXÕES BOÊMIAS

Brasília, quem te viu e quem te vê... Incrível a transformação no cenário gastronômico e boêmio da cidade nos últimos 20 anos! Realmente, para quem gosta de comer e beber bem há cada vez menos motivos para deixar Brasília rumo às metrópoles do sudeste e do sul do país atrás de boas mesas e bons bares;)
Interessante notar que, assim como o brasileiro tende a achar o que tem nos países ricos sempre melhor, o brasiliense tende a achar o que tem no Rio e em Sampa sempre melhor tb... Mas isso tem que acabar!
Eu não acho p.e. que o LONDON STREET PUB brasiliense seja inferior ao DELIRIUM CAFÉ carioca, apertado e quase desconfortável. Não tem a grife e não fica em Ipanema, no mais não fica nada a dever à filial do famoso bar belga...Tb não acho que a nossa trattoria VITTORIA D'ITALIA seja inferior à tradicional CANTINA DO PIERO paulistana. Aliás, acho que é até superior;) Enfim, é isso, não vou me alongar.

London Street 

Se a gente for olhar pra trás e fazer um paralelo entre os bares históricos da cidade, os já mais antigos e um moderno notará diferenças significativas! Gostaria de analisar aqui a evolução no segmento choperias/cervejarias comparando 3 bares da cidade, de idades e formatos variados, a saber:

-BIER FASS (Gilberto Salomão);
-BAR BRASÍLIA;
-PUBLICAN BAR.

Se vamos ao velho BIER notamos um ambiente antiquado, de gosto duvidoso na parte de dentro (...), com músicas diferentes - e que se chocam - na parte de dentro e na de fora nos fds, jovens falando no celular na parte de fora e casais/famílias jantando (nada muito especial) na parte de dentro. A pedida certeira é o chope comum com salsichão, e no máximo se poderá tomar uma cerveja alemã de trigo. O frango à passarinho vem acompanhado de batatas fritas, e fritura não combina com fritura, é mal pensado o petisco...Ruim não é a experiência, mas não empolga. Pra mim só de vez em quando, acompanhado e pra matar a saudade...Eu nunca levaria alguém de fora que só tivesse uma noite na cidade ao BIER.

Bier Fass

Já se adentrarmos o já tradicional BAR BRASÍLIA, notaremos logo uma preocupação com a recriação de um ambiente de outrora, detalhes decorativos, um chope de prima e petiscos de qualidade, valorizando a cozinha brasileira e em especial a mineira. Sem dúvida um chope com linguiça de formiga ou uma feijoada no BAR BRASÍLIA são ótimas experiências boêmias na cidade. Eu levaria fácil alguém de fora que só tivesse uma noite na cidade ao BAR BRASÍLIA.

Bar Brasília

Finalmente, se vamos ao PUBLICAN notamos logo que estamos numa choperia moderna, com as torneiras de chope logo na entrada, carta de cervejas bem variada/sofisticada e decoração descolada. Eu diria que o PUBLICAN é não 'a melhor' - já que eu não gosto dessa construção - mas uma excelente choperia/cervejaria da cidade e que combina - de forma quase imbatível - as cervas com petiscos bem pensados, bem executados e que valorizam a nossa culinária. Bolinhos de feijoada, queijo artesanal que leva cerveja, croquetes de carne, 'sandubas' pra fomes maiores. Tudo que provei estava ótimo e bem apresentado. Fino!\o/ Eu levaria com orgulho alguém de fora que só tivesse uma noite em Brasília ao PUBLICAN.



Eu acho que o ambiente não é o ponto forte do PUBLICAN, mas claro que isso é meio subjetivo. Bom serviço e preços na média. Mas o bar é fortíssimo em bebes e comes, tinha até um vinho rosé lá outro dia, curioso...
Então é isso, tem público para o BIER, para o BAR BRASÍLIA e para o PUBLICAN, são propostas diversas. Mas o segmento evolui e não adianta, o novo - quando é bom! - tende a superar o velho que não se renova. Considerando o cenário boêmio atual da cidade, acho o velho BIER muito pouco atraente. Mas tradição e localização contam tb, e nada impede que o BIER siga aberto ali naquela esquina por muitos anos ainda, vivendo até mais que o novato PUBLICAN, com suas modernas torneiras servindo ales, IPA'S, etc. e tal. Quem viver, verá...

PUBLICAN BAR
409 Sul

Cozinha/Bebidas - ***
Serviço - **+
Preços - **+
Ambiente - **+
Acolhida - não se aplica

***- Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível



sexta-feira, 4 de maio de 2018

BAR LAGOA (Rio de Janeiro-RJ)

O INIMITÁVEL

Uma notícia triste abateu-se na semana passada sobre os fãs da tradicional TRATTORIA 101 (Brasília) e os muitos amigos do seu dono: A morte do mesmo, o engenheiro de carros italiano e gentleman Luigi Benegiamo; o que só surpreendeu, entretanto, quem não sabia da gravidade da sua doença.

Luigi

Poucos dias depois passei de carro em frente ao restaurante e notei que o mesmo estava aberto, provavelmente encerrando o serviço de almoço. Assim é a vida afinal, que segue...O restaurante talvez fique com a família, talvez seja vendido, enfim, só o tempo dirá. 



Mas o importante é que, além de naturalmente lamentarmos a perda da figura humana, tentemos preservar o legado de Luigi para a restauração da cidade! Um legado significativo aliás. Alguns dirão que Luigi não vivia do seu restaurante, e que então o mesmo não importava tanto assim... Mas discordo. O fato de alguém ter um restaurante como fonte de renda adicional - e diversão mesmo - não o torna (o restaurante) menos importante que os demais. O que devemos guardar é então o genuíno amor de Luigi pela cozinha de seu país, a administração profissional do restaurante, a regularidade de sua cozinha, o bom atendimento, o ambiente autêntico e charmoso. Nossa, quantos e quantos casais da cidade já foram lá degustar o emblemático 'filé à parmigiana com fettuccine alfredo', carro-chefe da casa e um prato que não é italiano;)
Se o restaurante de Luigi ficou famoso pelo 'parmigiana' com massa, o lendário BAR LAGOA no Rio é famoso pelo filé à milanesa com salada de batata. Mas tb pelos salsichões, afinal trata-se de casa com inspiração germânica...

BAR LAGOA


Falta conceito ao BAR LAGOA, que serve um pouco de tudo, inclusive pizzas e 'sandubas'. Mas, se lhe falta conceito, sobra-lhe charme e tradição:) O antigo BAR BERLIM há décadas vem servindo as famílias e os turistas que enchem a 'cidade maravilhosa' o ano todo. Se da cozinha nada chega a ser marcante - salvo uma sensacional apfelstrudel, servida quentinha - nada é tb ruim. Serviço eficiente, e olha que o lugar vive cheio. Preços razoáveis, principalmente se num grupo se partilhar as porções de petiscos e os pratos. O milanesa p.e. dá pra 2 com folga.



Não se pode deixar de mencionar que o BAR LAGOA serve tb um bom chope, pois afinal é tb bar como ...o nome já diz! Bom, se é tb bar e vive cheio de famílias já deu pra sacar que o LAGOA é meio barulhento, né?!😃





Hj sob a administração do empresário que comprou várias casas icônicas país afora para resgatar a sua história (inclusive o brasiliense PIANTELLA), o LAGOA sobrevive aos modismos e é sem dúvida um dos restaurantes mais legais do Rio. Histórico, charmoso, cheio de personalidade e único. Aliás, o Rio é assim...

BAR LAGOA


Av. Epitácio Pessoa
Lagoa
Rio de Janeiro-RJ

Cozinha - **+
Serviço - **+
Preços - **+
Ambiente - **1/2
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível









quarta-feira, 14 de março de 2018

LE PARISIEN BISTROT (Brasília-DF)

BISTRÔ DA ESQUINA

Conversar sobre restaurantes e bares é sem dúvida uma das coisas de que mais gosto. Estou sempre trocando ideias com outras pessoas sobre o assunto, e isso aumenta meu conhecimento, com a absorção de outros - e algumas vezes surpreendentes - pontos de vista.
Volta e meia o assunto recai na representatividade das cozinhas regionais e das cozinhas estrangeiras nos restaurantes de Brasília. Pizza, sushi, crepe (abrasileirado), churrasco, hambúrguer tem pra todo lado. Restaurantes de comida nordestina e italianos (ou italianados...) há muitos.
Agora, os restaurantes alemães, portugueses e espanhóis são escassos. Interessante notar que
comemos mais comida italiana que portuguesa, apesar da colonização portuguesa! Mas há tb uma explicação econômica: É muito mais barato comer pizza e massa que arroz de pato e bacalhau...Receitas mais fáceis de se elaborar tb levam vantagem.
Um restaurante alemão/eslavo que não se pode deixar de visitar em Brasília é o SERVUS, agora funcionando no Espaço Gaivotas, perto do antigo endereço na mesma DF-140. No comando, as irmãs Birgit e Andrea Fenzl. Vida longa ao SERVUS!

Birgit

Andrea

SERVUS
São poucos os portugueses, com várias baixas nos últimos anos. Já longevo, o que mais me agrada na especialidade é o tradicional SAGRES, mais até pelo ambiente que pela comida;)

SAGRES
Os franceses historicamente saíram muito pouco da França para fazer a vida em outras terras. Pudera, aquilo lá é muito bom!;) Assim, quando a gente fica sabendo que um Chef francês abriu um restaurante, é quase certo que ele tenha vindo para o Brasil por conta do casamento com uma brasileira...Marcou época aqui em Brasília o LE BATEAU IVRE, de um Chef francês casado com uma...brasileira, claro. Tal é tb o caso do novo LE PARISIEN BISTROT, dos franceses Jérémy e Maxime.


Jéremy e Maxime

Fazia falta em Brasília um restô francês menos comercial que o LE VIN, e mais moderno que o vetusto LA CHAUMIÈRE. Não me esqueci do TOUJOURS, mas este restaurante passou por mudanças e ainda não voltei lá. Portanto, é muito bem-vindo o LE PARISIEN, com sua fidelidade aos clássicos da cozinha de bistrô e seu ambiente de 'restaurante de esquina' parisiense, comme il faut ;)



Comi bastante bem nas 4 vezes em que jantei no LE PARISIEN, mas achei a torta de maçã muito doce e um pouco enjoativa, não repetiria. Acho tb que poderiam ser um pouco mais generosos ao servir a taça de vinho. Recomendo com entusiasmo o magret de pato com aligot de gruyère/queijo minas e a quiche lorraine com salada.



O bom serviço e a autenticidade do ambiente, além da constante presença dos donos, garantem já um lugar de destaque ao LE PARISIEN na cena gastrô da cidade.


O almoço executivo e uma simpática happy-hour às quintas são novidades do bistrô, onde quero voltar muitas vezes ainda para experimentar outros pratos. Revi a Bruna, uma das moças mais bonitas que conheci em Brasília, na primeira vez que fui ao LE PARISIEN. Parece que o tempo não passa pra ela. Quanto ao LE PARISIEN, espero que o tempo passe e sua qualidade se mantenha a mesma, o maior desafio dos restaurantes...



LE PARISIEN BISTROT
CLN 103

Cozinha - ** 1/2
Serviço - **+
Preços - **+
Ambiente - ** 1/2
Acolhida - **+

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível


CONFRARIA CHICO MINEIRO (Brasília-DF)

NOS DOMÍNIOS DE CHICO Estive em Salvador novamente e, mais uma vez, retornei ao DON PAPITO, um bar/restaurante que faz valer a via...