quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

TIP TOP (Belo Horizonte-MG)

BELEZA?!

J.L. é uma jovem amiga, gosto muito dela. Me ajuda por ser mulher e por ser muito mais nova do que eu, tem então uma outra visão do mundo dá pra dizer, sem maior exagero! Pois é, ela diz que acha que eu devia 'escrever mais'. Eu gosto de ouvir isso, claro, embora isso envolva tb uma leve crítica. Tudo bem. Vou responder a vc aqui no blog mesmo jovem amiga...
Eu escreveria mais se eu me inspirasse mais J.L., mas inspiração não tem hora pra aparecer...
Eu escreveria mais se as pessoas comentassem mais no meu blog J.L., como vc faz com frequência aliás, muito obrigado!
Eu escreveria mais se eu conseguisse mais anunciantes para minha página no Facebook J.L., todo mundo quer ser divulgado mas na hora da grana não aparece quase ninguém...
Eu escreveria mais se eu conseguisse ajudar os bons estabelecimentos a permanecerem abertos J.L., já vi tanta gente boa afundar...
Eu escreveria mais se eu fosse milionário e não precisasse trabalhar J.L., aí seria só viagem, bar e restaurante, pas mal...
Eu escreveria mais se... as coisas não fossem como elas são!:)
Eu tô no Rio, a cidade tá cheia de gente do mundo todo, o calor incomoda, tem trânsito, mas apesar de tudo a cidade esbanja beleza e charme. O Rio é uma cidade fundamentalmente diferente de Brasilia, nessa época do ano então...Eu moro há tanto tempo em Brasilia que nem me lembro direito que nasci aqui, vivi aqui por anos, tenho família aqui, enfim, parece que foi numa outra vida...outro lugar, outro tempo. Vivo na terra das quadras, da L2, da W3, só ando de carro...eu vou à praia no Rio igual turista, a areia é tão estranha como a neve hj em dia pra mim, é algo que não existe onde eu vivo!



O Rio tem uns lugares com a fórmula restaurante e bar - uma fórmula difícil - que me agradam bastante, desde os restaurantes simples que servem galeto até um bar classudo como o ASTOR, plantado na aristocrática Avenida Vieira Souto em Ipanema. As casas que servem sucos e 'sandubas' são tb adoráveis, a cara do Rio! 


GALETO DO LEBLON

Talvez a fórmula restaurante e bar funcione bem no Rio pq. a cidade é praiana, informal, e isso peça mais bar que restaurante, e aí os bares que servem tb refeições e os restaurantes que servem tb petiscos com bebidas - num ambiente despojado e invariavelmente barulhento - saem ganhando. No comércio é assim afinal, sacar a vocação de cada cidade é essencial à sobrevivência. Então o cara vai tomar umas no bar depois da praia e se bater fome almoça ali mesmo...ou então sai pra almoçar ou jantar e toma umas antes e/ou depois da refeição, de bermuda muitas vezes, a sacada é essa, encher casa com os públicos de bar e de restaurante!
Já estou em BH, a terra dos bares! Estou de férias, vou escrevendo conforme me dá vontade, espero que entendam...


BH

Às vezes eu fico me perguntando se é normal alguém levar a vida como eu, bar, restaurante, viagem, uma instabilidade amorosa crônica, vivendo praticamente só, sei lá, confesso que o 'dia de amanhã' me amedronta um pouco, deixa pra lá...
Ontem (segunda) revisitei o CAFÉ VIENA BEER aqui em BH, uma casa impressionante com seus mais de 1.000 (!) rótulos de cerveja, além de produção própria de chope e cerveja. É uma casa para grupos com suas muitas cervejas e petiscos fartos. 


CAFÉ VIENA BEER

Voltei. Ontem (quarta) foi um dia de reencontros: DONA LUCINHA e TIP TOP, nossa, quanta emoção!;) Leandro, filho de D. Lucinha, estava lá. "Tip Top" era uma gíria usada na Europa lá pelos anos 20 e 30 do século passado, e a tcheca que fundou o bar (em 1929!) deu então esse nome ao bar. "Tip Top" era "tudo bem?" ou "tudo certo?", podia ser perfeitamente tb o "beleza?" de hj em dia.


DONA LUCINHA

Hj (quinta) almocei no TIP TOP, acho que pela primeira vez. Como diz o ditado afinal: "Tudo tem a primeira vez...". Bem bom o kassler com salada de batatas. Já a mandioca frita de entrada não pediria novamente. Já fui ao TIP TOP para tomar umas e petiscar muitas vezes. Desta vez comi ótimos bolinhos de bacalhau, um petisco no qual não apostaria num bar famoso pela comida alemã...O caldo de mandioca revigorou bem no fim de uma noite em que choveu e esfriou, o que eu adorei aliás, pois o calor que peguei no Rio e em BH ninguém merece...



O famoso chopp, que inclui o da 'Xingu' escuro, e os petiscos alemães fizeram do TIP TOP um bar de sucesso ao longo de gerações. Com o tempo petiscos locais foram incorporados ao cardápio, tem torresmo, batata frita, linguicinha, filé a palito, etc. Ah, e tem o indefectível filé a parmigiana adorado pelos brasileiros! Almoço executivo nos dias de semana, muitos destilados, clube do uísque, é um bar de freguesia cativa. Bom serviço, preços razoáveis e um ambiente de uma certa austeridade que lhe dá um diferencial numa cidade de botecos e que me agrada bastante. É um ponto de encontro e paquera de quem já passou dos 40.



O vetusto TIP TOP é um dos bares que mais me agrada dentre todos que conheci, não foram poucos;) Indo a BH não deixe de visitá-lo e entre no clima da BH antiga vendo as fotos nas paredes. Numa delas vê-se a antiga padaria Savassi, que dá nome à região mais nobre de BH atualmente. 
E aí, tá animado (a) pra virada do ano? "Tip Top" pra encarar 2017?
Feliz Ano-Novo!

TIP TOP

R. Rio de Janeiro
Lourdes
BH-MG

Cozinha/Bebidas - **1/2
Serviço - **1/2
Preços - **+
Ambiente - **1/2
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível



sexta-feira, 25 de novembro de 2016

GERO (Brasília-DF, com filiais em outros estados)

ZUCCHINI
Para Paulo Rangel, fã do GERO.

Uma das coisas mais frustrantes da minha atividade é ver a atividade comercial e o marketing remarem contra os bons por assim dizer. Explicando melhor: Bons bares e bons restaurantes muitas vezes fecham as portas por falta de divulgação adequada, má administração, ponto ruim, ou até mesmo por pura falta de sorte. "Estar no lugar certo na hora certa" conta bastante na restauração:)
Por outro lado, uma porcaria bem divulgada, em ponto bom e bem administrada dura décadas às vezes. Exemplos não faltam. Enfim, como gosto de dizer, o comércio, assim como a vida, não é justo. Gente boa afunda às vezes e aventureiros despreparados - e até picaretas - com frequência fazem sucesso duradouro. 
O marketing e os prêmios tb ajudam muito - particularmente na alta gastronomia - mas não necessariamente os bons (...). Enfim, como diz o ditado, "é do jeito que é". E a coisa é frustrante na medida em que eu não tenho poder suficiente para evitar que os bons desapareçam nem para evitar que os ruins passem por bons, c'est ça!
A verdade é que pra fazer o que eu faço tem que gostar muito, pois há muita adversidade...


Pizza

Mudando de assunto. esses dias comentava com alguém que se tem uma cozinha de fora que agrada ao brasileiro - e portanto tem apelo comercial - é a italiana. Ao lado do sushi, do hambúrguer e de outros menos votados (como o crepe), a  pizza, as massas e os risottos vendem bem do norte ao sul do país. Há uma expressiva presença italiana no país, mas isso é só parte da história, pois a verdade é que a comida italiana é... uma delícia, e o que é bom acaba se impondo;)


Hambúrguer 
Restaurantes italianos que pertencem a italianos são portos seguros invariavelmente. Há tb restaurantes "italianados", com inclinação pela cozinha italiana, e que podem ser bons, mas há muita variação e muita aventura, enfim, é aquilo, o comércio não tem nada a ver com gastronomia, é um "salve-se quem puder".
Aqui em Brasília o NINNY, a TRATTORIA 101 e a TRATTORIA DA ROSARIO são exemplos de bons restaurantes italianos pertencentes a italianos.

Trattoria da Rosario
O GERO, embora não pertença à um italiano, faz parte de um grupo fundado por uma família oriunda do norte da Itália, os Fasano, e além do mais à frente do grupo brilha Rogério Fasano, um craque da hotelaria e da gastronomia de alto padrão no país. 
Eu já escrevi uma vez que se fosse milionário ia fazer tudo pra ter uma participação no GERO, só pra poder convidar alguém pra jantar no meu restaurante e, ante à pergunta: "Qual é o seu restaurante?", poder responder: "O GERO...";) Mantenho a afirmação! Não sou nenhum grande fã do Rogério, não curto muito restaurante em shopping, acho o GERO meio caro, sem falar que restaurantes de luxo exigem que a gente vá bem arrumado, a refeição é demorada, enfim... não tenho paciência pra ir toda hora. Agora, o conjunto do GERO é de babar, putz, que lugar! 

Rogério Fasano, o 'Gero'
GERO e seus risottos, GERO e seus vinhos, GERO e suas delicadas sobremesas. Recomendar o que? Tarefa difícil, é tanta coisa boa...prefiro dizer que ir lá e pedir massa à bolonhesa é desperdiçar a ótima cozinha do restaurante. Invista em carne com risotto em Sampa e em Brasília, e no Rio peça um prato com frutos do mar, gaste tb num bom vinho, peça uma sobremesa, só se aproveita um restaurante como o GERO sem querer fazer economia;)





Serviço e carta de vinhos de prima, ambiente charmosíssimo. Almoço executivo nos dias de semana, embora sem dúvida o GERO seja mais convidativo à noite. O GERO faz sucesso merecido em Brasília - e até onde eu sei nas outras cidades em que existe tb - e é uma das grandes conquistas dos últimos tempos para os brasilienses. O novo enterra o velho, e restaurantes vindos de cidades mais antigas trazem invariavelmente um ganho civilizatório a cidades jovens como Brasília. Quando aqui cheguei restaurantes e bares que não dá nem pra comparar com o GERO, a FOGO DE CHÃO, a GROTE BIER e a LONDON STREET eram considerados o máximo. Podem não ser ruins, mas hoje com o GERO na cidade dificilmente alguém vai conseguir sustentar que o DOM FRANCISCO é excelente;) 



Tudo muda, e eu vou indo, achando a meia idade bastante desinteressante...
Mais que um restaurante, o GERO é uma conquista civilizatória.

GERO
Shopping Iguatemi
Tem filiais em Sampa e no Rio

Cozinha - **1/2
Serviço - ***
Preços - **+
Ambiente - ***
Acolhida - **1/2

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível

terça-feira, 11 de outubro de 2016

DOM FRANCISCO-ASBAC (Brasília-DF)

VERDE & AMARELO

Sempre que quero levar alguém de fora a um restaurante aqui em Brasília me vêm à cabeça restaurantes nascidos na cidade, com personalidade local por assim dizer. Já levei pessoas de fora a muitos restôs nestes anos todos em que já estou aqui na capital, a lista é longa...volta e meia abro uma exceção e levo alguém a um restaurante "de fora", caso da ida ao extinto PORCÃO com o amigo de infância já há vários anos. Incrível como as coisas mudam, quando conheci o PORCÃO lá no Rio nos anos 80 pensava que aquele restaurante cheio de gringos tomando caipirinha e se enchendo de picanha não ia acabar nunca! Quando abriu aqui em Brasília era disparado a melhor churrascaria da cidade, de frente pro lago, e foi assim que levei lá o velho amigo fã de churrasco, não tinha como não gostar...


PORCÃO 

Nossa, me lembrei agora que levei o colega de faculdade no extinto COSTELA'S, na rua dos restaurantes (404/5 sul) - quando só havia uma rua dos restaurantes! - e eu lá de anfitrião, funcionário em início de carreira com 30 e poucos anos, tempo bom!;)
As primas adoraram o extinto AQUAVIT, no setor de mansões, tb não tinha como não gostar!


AQUAVIT

O amigo advogado levei ao ícone PIANTELLA, recentemente extinto. Nunca mais vi o amigo, que então passou para uma categoria particular de pessoas com quem a gente tinha intimidade e perdeu. Recentemente soube que ele passou por uma tragédia familiar, coitado...uma conhecida em comum foi quem me contou o que em outros tempos ...ele teria contado! C'est la vie.
Agora, ao DOM FRANCISCO da Asbac eu já levei um monte de gente, talvez seja o recordista!


Chef Francisco Ansiliero

Anos atrás fiz uma matéria não muito elogiosa sobre o restaurante no site que eu tinha. Não me arrependo. Eu continuo achando que o Chef Francisco não é um ótimo cozinheiro, o que o sucesso midiático que seu grupo de restaurantes conquistou sugere. Agora, isso não resume um restaurante! 



O restaurante tem uma história, sempre é um conjunto, tem (ou deve ter...) um conceito. Se a gente entender então que o DOM FRANCISCO não é um restaurante gastronômico, que o Chef Francisco nasceu bem antes desta onda gastrô toda e portanto não estudou gastronomia nem "fez estágio no prestigiado restaurante tal, na França ou na Itália, que tem estrelas ou pontos no famoso Guia tal", a gente vai acabar concluindo que o restaurante dele é, no mínimo, super simpático, a cara de Brasília!





Criado em cima de bons azeites, uma portentosa adega, fartas saladas, picanha, tambaqui e bacalhau, tudo escoltado invariavelmente por farofa de ovos e arroz de brócolis, o restaurante - particularmente o do clube Asbac - possui um conjunto de virtudes notável. Na filial da Asbac servem-se 2 grandes pratos da cidade: A moqueca capixaba e a dobradinha à moda italiana (nas terças). 
Na realidade, penso que ter montado um restaurante variado para servir pratos dos quais o brasileiro gosta, com uso de produtos das diferentes regiões do país, fruto de pesquisas e andanças do Chef, foi o grande mérito do respeitado, querido e famoso Chef Francisco, que hoje divide o comando das Casas com a filha Giuliana.

Chef Francisco e Giuliana

Passei bons momentos na filial da Asbac do DOM FRANCISCO, perdi a conta de quantas vezes já fui lá, inclusive a eventos profissionais. É um ótimo local para eventos e conversas reservadas, pois as mesas não são muito próximas. Tem grande variedade de pratos e há sempre sugestões e os pratos do dia. A vista do lago nos dias de sol é um beleza.
A verdade é que poucos restaurantes são tão identificados com Brasília como o DOM FRANCISCO. Se falta talvez maior maestria nas panelas ao Chef catarinense, sobram a ele simpatia e gosto pelo que faz.
Convenhamos, ali na Asbac, o carro estacionado na sombra, a gente no ar condicionado, sendo bem atendido, olhando pro lago, políticos no salão, o Chef indo às mesas, os pratos com as guarnições verde e amarela passando;) - com os tradicionais arroz de brócolis e farofa - tem que ser muito mal humorado pra não achar graça nenhuma naquilo!...


DOM FRANCISCO - ASBAC

Tem filiais na cidade
Tem manobrista

Cozinha - **+
Serviço - **1/2
Preços - **
Ambiente - **1/2
Acolhida - **+

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível

terça-feira, 27 de setembro de 2016

PIRENEUS CAFÉ & FORNERIA (Pirenópolis-GO)

QUEM VAI FAZER SHOW HOJE?!

Eu concordo plenamente com aquele ditado que diz que "só os mortos e os idiotas não mudam de opinião". Felizmente já mudei de opinião muitas vezes, e sobre diversos temas. Mas ninguém me convenceu ainda de que há lugar mais interessante que Pirenópolis pra quem mora em Brasília passar 1 ou 2 dias e mudar de ares! Ir e voltar no mesmo dia já acho meio complicado, pois se perde a noite, pra mim o que Piri tem de melhor...;) Eu gosto de Brasília, mas todo lugar cansa, não adianta...e viajar toda hora cansa tb...a gente tem é que achar um meio termo, o meu meio termo já achei faz tempo: Só acho graça em sair de Brasília 2 X por mês, no máximo, nos outros finais de semana é por aqui mesmo que gosto de ficar, na terra das superquadras...

"O beijo na superquadra" - Foto: João Paulo Barbosa

Piri é quase uma unanimidade pq., se não consegue agradar a todos, agrada a muitos, pois tem... atrações para muitos! Se vc quer descansar, Piri serve; se vc quer namorar, serve tb; se vc quer cair na noite, serve tb - eu que o diga;) - se vc quer pegar uma trilha + cachoeira, serve tb; se vc quer comer bem, serve tb; bom, chega, pra não gostar de nada em Piri tem que ser artista! É perto, a gente vai e volta com um tanque de gasolina e ainda sobra, os restaurantes populares são baratos, pronto, é muito conveniente que Piri esteja aqui pertinho:)

Salto Corumbá

Como na sexta choveu forte e refrescou me animei a dar um pulo em Piri no sábado, acertei, tava uma delícia;) 
Um lugar que vem agradando muito em Piri é o CAFÉ PAND'ORO, que foi recentemente adquirido pelo jovem casal Rafael e Sejana da Chef local Niris Quirino, a fundadora do tradicional PIRENEUS CAFÉ & FORNERIA, na Pça. do Coreto. Muito feliz a decoração e muito bons os produtos - em especial os pães - do PAND'ORO, uma ótima opção para o café da manhã, vida longa ao mesmo!
Eu conheço o PIRENEUS CAFÉ desde qdo. ele ocupava um imóvel menor, e conheci a extinta FORNERIA PIRENEUS em Goiânia, tocada pela Chef Niris e um sócio.

CAFÉ  PAND'ORO

O PIRENEUS CAFÉ & FORNERIA é sem dúvida uma das melhores Casas de Piri, e segundo o atual dono, o gentleman Paulo Amorim, é seguramente a que tem a melhor música. Pode ser, até pq. o CAFFÉ TARSIA, que fez história com suas apresentações musicais na Rua do Lazer, não se renovou e desapareceu, pena. Pena, e pra mim prejuízo tb(...).

PIRENEUS CAFÉ & FORNERIA

Paulo Amorim divide-se entre Piri e Ilhabela-SP, e daí a decoração com motivos marítimos do PIRENEUS. Sábado tem feijoada no almoço, e domingo bacalhau. Tudo muito bom, mas acho que deviam começar a servir mais cedo, e ponto final.


Bacalhau

À noite o PIRENEUS ferve, e é um dos poucos lugares da cidade que abre todo dia, palmas para ele! À noite reina a focaccia nas mesas, mas há tb sandubas em pães diversos, panquecas e lasanhas/canelones, tudo muito bem feito. O cardápio extenso lista ainda sobremesas, cafés, chocolates quentes, soda italiana, destilados e, mais recentemente, cervejas de qualidade, nacionais e estrangeiras\o/. O ótimo café espresso é tb marca do lugar. 

Focaccia
Os shows musicais às sextas e sábados - se quiser sentar chegue cedo! - são tb um grande atrativo do PIRENEUS. Já vi muito show lá pra encerrar a minha programação noturna, que invariavelmente começa com um licor de baru no tradicional BOXEXA;)




Então o PIRENEUS cresceu, se sofisticou e se firmou - merecidamente - como uma das melhores Casas da boêmia Piri. Sabem aquele clichê?: "Quem vai a Roma tem que ver o Papa!". Pois é, quem vai a Piri tem que assistir um show e comer uma focaccia no emblemático PIRENEUS CAFÉ & FORNERIA:)

PIRENEUS CAFÉ & FORNERIA
Foto: Lúcia Costa

PÇA. DO CORETO
Pirenópolis-GO

Cozinha/bebidas - **1/2
Serviço - **
Preços - **+
Ambiente - ***
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/regular
* - Sofrível


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

PIANTELLA: Apogeu e fim de um ícone...(Brasília-DF)

VINHOS E VOTAÇÕES


Li muita coisa sobre o fim do PIANTELLA, me animei e decidi escrever um texto conceitual sobre o apogeu e o fim deste lendário restaurante da capital, alors...
O restaurante gastronômico um belo dia surge num lugar, é um negócio como outro qualquer. Sócios se reúnem em torno de um projeto, uma ideia, há um capital inicial, surge um ponto comercial, tem um Chef que comandará a cozinha, e às vezes o restaurante é do próprio Chef, claro. São muitas as fórmulas possíveis. Nascer é o mais fácil. Mas o dia-a-dia de um restaurante não é nada fácil. E é preciso ter coragem para enfrentar o fim, que pode vir antes do que se imagina...



O PIANTELLA durou 37 anos, é muito, muitíssimo se considerarmos que operava numa cidade que só tem 56!

Foto: Olivier Böels

Sempre se disse que o PIANTELLA servia ao poder, aos políticos, o que era uma parte da história, mas servia tb a quem não tinha poder nem era político, quer dizer, as pessoas não sacavam direito que o PIANTELLA servia mesmo era... pra dar lucro pros seus donos, ora! Os donos do PIANTELLA souberam aproveitar a vocação da capital para ganhar dinheiro num restaurante perto da esplanada, fino e de ambiente discreto, que favorecesse os conchavos, as articulações e os encontros reservados, inclusive entre clientes e garotas de programa de luxo no seu lindo bar;)





Marco Aurélio, o grande restaurateur da cidade, e talvez o maior deles, fundador e sócio do PIANTELLA até 2 anos atrás, dizia que o restaurante teve início numa época em que todo mundo se conhecia em Brasília, e que hj não se conhece mais ninguém! Isso diz muito sobre o fim do restaurante. O PIANTELLA tornou-se um must na cidade para um certo grupo de pessoas durante um certo tempo - um bom tempo aliás - mas deixou de ser isso há tempos, e não resistiu.


Marco Aurélio

Nos anos 80 era no PIANTELLA, no GAFF ou no FLORENTINO que vc tinha que ir, dependendo de quem vc fosse. Nos anos 90 podia ser tb no DOM FRANCISCO ou no LAKE'S. De 2000 pra cá mudou tudo - GAFF e FLORENTINO tombaram no caminho - inúmeras grifes de fora se instalaram na cidade e o PIANTELLA tornou-se apenas mais uma opção, uma opção cada vez mais nostálgica...
Foi-se o PIANTELLA, como já se foram tantos outros...e quem estará aberto daqui a 1 ano? Ninguém sabe, esta é a verdade. Foi-se recentemente tb o CAFÉ CASSIS, onde - nos tempos da 214 sul - muito quarentão e cinquentão de hj levou a namorada pra jantar 'bacalhau espiritual' ou 'estrogonofe à J.R.' nos anos 90...nada dura para sempre! 
Kakay, o advogado cabeludo e milionário, um antigo cliente que - juntamente com a mulher - assumiu o controle do restaurante nos últimos tempos, comprando a parte de Marco Aurélio, fez de tudo para salvar o velho PIANTELLA, mas a situação era irreversível. A pedido dos clientes, abriu o restaurante pela última vez no dia da votação do Impeachment da Presidente, uma data histórica.


Kakay


Não há poder maior que o do tempo, e no fim das contas tudo vira uma lembrança - inclusive nós mesmos - e o importante é que sejamos uma boa lembrança para a maioria após partir, já que ninguém consegue agradar a todos. 
No restaurante pessoas trabalham, clientes convivem nas mesas e celebram o prazer da boa comida e do bom vinho. Assim, os restaurantes tb deixam lembranças.
O PIANTELLA se foi, é triste o fechamento de um restaurante depois de tanto tempo. Dos mortos não se fala mais, e deixemos o PIANTELLA repousar. Marco Aurélio e Kakay merecem nossa admiração. E eu vou ter que comer cozido aos domingos em outro lugar, e vai ser muito difícil achar um tão bom quanto o do PIANTELLA...





NOTA: O restaurante foi reaberto sob nova administração após a publicação desta matéria.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

JOBI (Rio de Janeiro-RJ)

Leblon
ALTOS E BAIXOS (Para o Pradinho)

Onde andarão todos 25, 30, 35 anos depois? O que é hj o 'baixo' Leblon? Perguntas que trouxe na cabeça ao voltar do Rio da última vez em que lá estive...
Bom, pra começar quem são todos?! Gente paca, se somados os jovens que eu conhecia aos que não conhecia, e que andaram pelo famoso 'baixo' Leblon dos anos 80 aos 90. 'Baixo' por uma razão prosaica, pois a região fica num cruzamento na parte baixa do bairro, pois o Leblon tem uma parte 'alta', com ladeiras, é o 'alto' Leblon, simples assim.
Então, lá pelo 'baixo' Leblon andaram Caetano Veloso, Freddie Mercury, Cazuza e uma multidão de jovens anônimos - e os nem tão jovens assim - todos atrás de diversão, tomar um chopp, encontrar alguém... 'de noite no baixo' como Caetano cantou de maneira definitiva a paquera que rolava naquele pedaço;)


O músico Cazuza

Tem gente daquele tempo que eu nunca mais vi, até pq. moro longe do Rio há mais de 20 anos. A maioria tá bem, mas alguns não ficaram tão bem, por diversos motivos. E alguns já partiram tb, a morte não é privilégio dos velhos...
Uma volta rápida no 'baixo' Leblon, uns comes e bebes provados por lá mostram que a comida boa não é o forte do lugar, aliás nunca foi até um certo ponto. Na época eu não tinha grana pra isso, mas tinha fama a paella do velho REAL ASTORIA, que saiu do 'baixo' há tempos. Na BB LANCHES vc come um salgado protocolar e um suco, nada muito especial, mas pode ser que algum sanduba surpreenda. A PIZZARIA GUANABARA serve pizzas em fatias no balcão até a madrugada, foi a origem da Casa, histórica aliás, pois pertenceu à um antigo 'Rei na noite' carioca. A pizza de mussarela assim que chega ao balcão acompanhada de um chopp quebra o galho, além de ser a cara do Rio;) Já a calabresa vc deve esquecer...o DIAGONAL serve de tudo um pouco, e da qualidade não posso falar, há muito tempo não como nada lá. Tem tb o vetusto JOBI...
Paiva no Jobi


JOBI, o sessentão; JOBI de incontáveis chopes, muitas feijoadas e muitos bacalhaus; JOBI onde por muitos anos trabalhou um dos garçons mais conhecidos da cidade, o Paiva; JOBI, um dos grandes templos cariocas do que o Rio talvez tenha de melhor, o petisco e o prato de bar:)




Fui ao JOBI 2 dias seguidos. Num dia, uma simples empadinha de camarão, saborosa. No outro, almoço com direito a petisco de entrada, um petisco difícil de encontrar bem feito: Mandioca frita. Ótima, com queijo ralado por cima. De prato principal fomos de lulas com arroz de brócolis, um pedido certeiro numa cidade como o Rio, litorânea e de forte influência portuguesa. Saboroso e farto. O JOBI é aquele tipo de restaurante que fica mais econômico quando se vai acompanhado, atenção. O serviço dá conta do recado, por incrível que pareça, pois o bar está invariavelmente lotado, é pequeno e com circulação difícil...o serviço lá é uma arte! Preços na média para boteco chique. Ambiente bem cuidado e com personalidade. O dono (há 56 anos!) está sempre presente, bom sinal. 



Algo que me chama a atenção nos bares do Rio é a proximidade entre as pessoas no salão, parece não haver maior preocupação com a privacidade. Resultado: Conforme a quantidade de chopes por cabeça vai aumentando a gritaria toma conta do lugar. É assim no BRASEIRO DA GÁVEA e é assim no JOBI e na maioria dos bares populares. Já num ASTOR já é um pouco diferente...eu não recomendaria então o JOBI para um papo, uma paquera então nem pensar, é um bar para grupos, para algazarra, para tomar um monte e falar alto, ame-o assim ou deixe-o!


Pela tradição, cozinha e personalidade, recomendo o JOBI para uma autêntica experiência carioca. Para os boêmios, o bar é obrigatório. C'est ça.

JOBI

Av. Ataulfo de Paiva (talvez um antepassado do garçom Paiva!)
Leblon
Rio de Janeiro-RJ

Cozinha - **1/2
Serviço - **+
Preços - **+
Ambiente - **
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível

segunda-feira, 18 de julho de 2016

SANTA PIZZA (Brasília-DF)

REDONDAS

Há tempos queria escrever um texto sobre uma pizzaria, falar um pouco de pizza. Até já fiz isso, mas já tem muito tempo, foi no site que eu tinha, um ou outro que me lê aqui leu aquilo, era um texto em que falei das pizzarias brasilienses BACO e FRATELLO UNO, que hj já são antigas tendo em vista a pouca idade da cidade...
Pizza, uma paixão mundial...poucas comidas são encontradas no mundo todo e tão apreciadas como a pizza, pensa rápido: Quantas pessoas vc conhece que não gostam de pizza? Aposto que ninguém ou 1 pessoa, que sabe-se lá como consegue não gostar do saboroso disco de massa com molho de tomate, queijo e a cobertura que mais agradar! Aliás, na Itália, pátria da pizza, o queijo já é cobertura, mas o meu texto não quer tomar um caminho mais técnico...
Eu adoro pizza, como praticamente toda semana, seja em pé num balcão seja nas pizzarias mais chiques do país, conheço várias. Me lembro bem da pizza 'a palito' servida nos bares do Rio - qdo. eu morava lá na juventude - que vinha na forma cortada em quadradinhos e com vários garfos para o grupo num prato separado:) Falando em pizzaria chique, chego ao ponto que quero abordar: A pizzaria chique/gourmet/premiada, um conceito problemático...



Quanto vale afinal um prato de pizza? A meu ver, seguramente menos do que as pizzarias tidas como "as melhores de Brasília" cobram! Putz, não aguento mais sair pra comer uma pizza e deixar mais de 50 pratas no restaurante (pizza + refrigerante + serviço) por conta dos seus prêmios, adega, um monte de garçons atendendo e um conforto até desnecessário pra afinal comer...massa, molho de tomate, queijo e algo por cima, o que convenhamos é muito bom qdo. a pizza é boa mas não tem elaboração culinária praticamente nenhuma! Esse é o problema do conceito de pizzaria chique, pois a pizza nasceu uma comida de rua barata e tem gente querendo transformá-la numa outra coisa...


Baco

Então, se por um lado a sofisticação que se quer dar a uma simples pizza tem tornado essa cada vez mais gourmet e desejada, por outro lado isso tem tornado a pizza inacessível aos que não podem se dar ao luxo de torrar dinheiro num lanche, preferindo eventualmente fazê-lo num restaurante fino em ocasiões especiais. Neste sentido, se em Brasília alguém comer pizza regularmente na DOM BOSCO e deixar pra gastar no GERO, no CRU BALCÃO CRIATIVO ou no OLIVAE em ocasiões especiais não tá errado não, tá mais certo do que quem vive na BACO e na VALENTINA e fica sem grana pra gastar em comida elaborada em restaurantes sofisticados!
Falei em DOM BOSCO, tá certo, exagerei... o desconforto e o fato da pizza não ser feita na hora do pedido comprometem muito. Mas, se vc der sorte e chegar lá assim que a pizza fica pronta vc come ela quentinha e, sendo pizza, não precisa ser grande coisa pra ser bom;) - e, no caso, bem barato - os gourmets podem achar o que quiserem da DOM BOSCO, mas a Casa tá mais perto do conceito original da pizza que as badaladas pizzarias premiadas da cidade!


Dom Bosco
O fato é que tem que haver um meio termo entre uma pizza "meia boca" num balcão - por mais barata que seja - e uma pizza maravilhosa e premiada num lugar todo chique mas que quebra a gente na hora da conta! Pra mim, em Brasília DONA LENHA e SANTA PIZZA ficam num meio termo, embora ainda assim eu ache o gasto nessa Casas alto pra comer pizza, ponto final.
Lembro-me bem da inauguração da SANTA PIZZA anos atrás. Aprecio muito a pizza de linguiça de javali com grana padano de lá. À frente da Casa, a jovem Fernanda Neiva dá continuidade - com competência e simpatia - à criação de seu pai, meu xará.


Fernanda com o pai

A pizza "brotinho" da SP explica em parte o seu bom custo/benefício, pois ao se pedir uma "brotinho" mais elaborada ela se torna mais substancial, e há significativa redução de preço desta com relação à "individual" de 4 pedaços. Assim, dá pra comer uma pizza com cobertura sofisticada por menos de 40 pratas por lá;)



Eu não vou dizer que a pizza da SP é a melhor pizza que eu conheço, seria um exagero, mas acho que a Casa mostra valor ao servir uma pizza honesta a preços razoáveis. Tanto é assim que sobreviveu ao grande aumento da concorrência no segmento dos últimos 15 anos.
Acho muito agradável ficar na SP, perto do jardim da quadra residencial, devorando uma redonda...eu não preciso de muita coisa pra ser feliz e a vida afinal é feita de pequenas alegrias: Um olhar feminino, as ondas quebrando no mar, uma pizza boa em boa companhia...

SANTA PIZZA
207 sul

Cozinha - **+
Serviço - **+
Preços - **
Ambiente - **1/2
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente 
** - Bom/Regular
* - Sofrível

LIGURIA (Santiago do Chile)

RAPA NUI Tinha tempo que eu tinha vontade de ir lá , matei a vontade, e dei por visto como se diz. Ilha de Páscoa, ou 'Rapa Nui'...