quarta-feira, 8 de julho de 2020

SEJANA JAYME & RAFAEL CABRAL (CAFÉ PAND'ORO - Pirenópolis-GO)

5 PERGUNTAS PARA SEJANA JAYME & RAFAEL CABRAL, DO CAFÉ PAND’ORO, EM PIRENÓPOLIS-GO:



1) Então vc, pirenopolina, já tinha atração por gastronomia e aí surgiu a oportunidade de comprar o CAFÉ PAND'ORO?

- Sempre gostei muito de cozinhar. Desde pequena me envolvia com as coisas da cozinha: o bolo piquenique de minha avó, bolachinha de nata de minha mãe, churrasco dos tios, as petas e enroladinhos de queijo da Dadá, as panelas fartas de meu avô. Uma vida de atenção a esse universo e também de muitos belisques! Meu primeiro pão deve ter sido aos 6 ou 7 anos de idade, baseado na lista de ingredientes da história infantil "A galinha ruiva". Ficou terrível, claro, mas eu repetia sempre a "receita". Recentemente, meus pães feitos em casa por encomenda de amigos e parentes agradavam mais (risos). Estava cursando o primeiro semestre de gastronomia quando surgiu a oportunidade de comprarmos o café. O interesse foi imediato. Meu marido já havia trabalhado em algumas cafeterias, tem familiaridade e paixão pelo universo do café, o que o tornou um grande parceiro nesta empreitada, que acabamos assumindo com grande vontade de fazer dar certo e uma dose extra de amor.

2) Qual a origem do nome? (pergunta da curtidora da página Jemily Lisboa, funcionária pública e universitária em Brasília)

- Não há uma tradução ao pé da letra. Em tradução livre, remete à expressão pão de ouro. É também um típico pão doce italiano, comumente servido no Natal, grafado sem apóstrofe.

3) Quais as especialidades da Casa?

- Certamente, o pão artesanal, que passamos a produzir a partir da fermentação natural, com levain que desenvolvemos há cerca de dois meses. Ao pão de qualidade, se unem a broa e o pão de queijo que, dizem por aí, são inigualáveis! (muitos risos). Somos muito gratos à nossa equipe pela parceria e o carinho com que trabalham, o que reflete diretamente na qualidade dos produtos. 





4) Alguma novidade vindo por aí?

- Para o segundo semestre temos novas idéias em teste para especiais do dia e novos pratos no cardápio. Já implantamos algumas pontuais alterações, tentando atender aos anseios dos clientes e seguir nossa intuição em relação aos ingredientes. A maior mudança até o momento ocorreu na carta de cafés, que foi ampliada e enriquecida com novos preparos e produtos de qualidade.

5) Como vê o cenário gastronômico da cidade? Mencione um bar e um restaurante que lhe agradem em Piri!

- Pirenópolis conta com bons estabelecimentos, gente interessada e um público diversificado. Precisamos estar atentos à qualidade dos pratos e do atendimento, porque este público também é exigente. A cada dia observamos que, às casas tradicionais, têm se juntado novos endereços dignos de atenção, o que é extremamente positivo para a melhora geral de nosso cenário gastronômico. Eu citaria a Botega do Malte como nossa descoberta mais feliz dos últimos tempos, porque reúne a idéia de bar, com boas cervejas, a uma comida deliciosa. Somos também piolhos da Cachaçaria do Dil, com mesa cativa na calçada. Como restaurante, o Montserrat nos agrada bastante e a melhor pizza, certamente, é a do Roberto, da Grano Salis.



OBRIGADO.

TERRUÁ PEQUENA COZINHA AUTORAL (Brasília-DF)

QUEM COZINHA AFINAL?! Caramba, morreu o grande Chef francês Pierre Troisgros, um dos monstros sagrados da nouvelle cuisine francesa! Não f...