quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

CHEF BIRGIT FENZL (RESTAURANTE SERVUS, Brasília-DF)

ENTREVISTA (2009) COM CHEF BIRGIT FENZL, RESTAURANTE SERVUS, BRASÍLIA-DF:



1-Bom, Birgit, vc já é brasileira, mas fale um pouco das suas origens e de como veio parar em Brasília...

A família da minha mãe é da região do Mar Báltico (Rússia, Estônia, Letônia e Lituânia) e a do meu pai é da região do antigo Império austro-húngaro (Áustria, Rep. Tcheca, Hungria e adjacências). Essa multiplicidade se reflete na culinária de nosso restaurante. Meus pais se conheceram na Alemanha, viveram juntos alguns anos e, quando houve a oportunidade de um emprego para o meu pai no Brasil, ele era engenheiro, desembarcou em Santos e alguns meses depois mandou uma passagem de avião para minha mãe. Logo depois se casaram em São Paulo. Isso lá pelos idos de 1958. Eu e minha irmã nascemos alguns anos depois, em São Paulo capital. E nós nos mudamos para o Rio de Janeiro quando ainda éramos pequenas. Vivi no Rio de Janeiro durante 25 anos. Meus filhos nasceram lá.
Depois de alguns anos em Santos, viemos para Brasília.


2-E a ideia do restaurante, como surgiu?

Meus pais sempre comentavam em abrir um pequeno restaurante, quando
tivessem se aposentado, para servir basicamente Gulasch, o prato nacional austríaco e húngaro com Knödel (bolinhos cozidos à base de batata ou pão).


3-Qual a proposta do 'Servus'?

Ser um local onde se pode desfrutar da gastronomia tradicional austro-alemã e do leste europeu, em um ambiente acolhedor, enfim relaxar. Meus pais sempre deram maravilhosas e alegres recepções. Minha mãe não se furtava de preparar tudo ela mesma e todos os convidados sempre saíam muito satisfeitos. Meu pai era um verdadeiro anfitrião.

Da música no toca-discos aos guardanapos, tudo era perfeito. Eles sabiam receber e reunir as pessoas em torno de um bom papo, boa comida e boa música.

Esse clima de cordialidade é o que quero transmitir. E acho que estamos no caminho certo. Para completar, falta um espaço para dançar, a grande paixão de nossa família, e que deverá estar concluído este ano ainda.


4-Há uma diferença marcante entre as cozinhas alemã e austríaca? E as do Leste europeu?

Acredito que a gastronomia do antigo Império austro-húngaro seja mais diversificada do que a germânica. O que não surpreende, dada a quantidade de povos e culturas diferentes que viviam sob uma batuta só.


Viena, Áustria

5-Um austríaco come o que no café-da-manhã? E se leva a família para almoçar no domingo vão comer salsichas ou a coisa não é tão simples?...

O café-da-manhã é composto de café, leite, geléia, pães variados, queijo e frios.
O almoço no domingo é um mergulho na variada culinária do mundo.


6-Recomenda algum prato em especial a quem nunca foi ao restaurante?

Difícil de especificar, pois fizemos questão de reunir em um buffet um pouquinho da culinária alemã e austríaca. Todos podem voltar quantas vezes quiserem ao buffet e fazerem as suas combinações.

7-E os doces? Ouvi dizer que se orgulha da torta de maçã...

Ah o ´Apfelstrudel´. Não é bem uma torta de maçã e sim uma massa finíssima, esticada pacientemente sobre um tecido estendido sobre a mesa, recheado de maçã ralada, açúcar e limão. Depois é enrolada como se fosse um rocambole e assada.

8-Os vinhos brancos alemães e as cervejas são famosas; e na Áustria, o que se bebe?

A produção nacional de cerveja é grande e o consumo idem.
Cada região tem sua cervejaria. Muitas vezes mais de uma. O vinho austríaco é muito conhecido, principalmente o "Grüner Veltliner" (branco) e o "Blauer Zweigelt" (tinto). Somente na cidade de Viena existem nove vinhedos registrados. O menor deles tem por volta de um hectare.
Um espumante fantástico é da marca ´Schlumberger´. A grande variedade de destilados merece também ser degustada.


9-O que recomenda (bebida) para acompanhar seu famoso 'eisbein'(joelho de porco)? De onde vem sua matéria prima?

Uma cerveja de trigo gelada.
O Eisbein e embutidos vêm de São Paulo. Todos os outros ingredientes são daqui mesmo.






OBRIGADO.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

GROTE BIER (Brasília-DF)

NORÔ


Embora não seja nunca o mais importante, o ambiente charmoso de um restaurante ou bar pode agregar muito valor ao mesmo, além de ajudar a definir o seu público. É mesmo possível que alguém goste tanto do ambiente de um estabelecimento a ponto de frequentá-lo mesmo fazendo ressalvas aos 'comes e bebes', aos preços e/ou ao serviço! Em Brasília alguns estabelecimentos despertam paixão, como o UNIVERSAL DINER e o BEIRUTE. Nenhum dos dois é 'minha praia', mas podem ser...a sua!;)


UNIVERSAL DINER

Como hj vou falar em mais uma cervejaria de Brasília - temo inclusive que meu blog já esteja se tornando meio cansativo para quem não é fã de cerveja;) - vamos então nos ater ao ambiente dos bares. Visual👀Nível de ruído👂Cheiros👃
Acho que foram os franceses do grupo RELAIS & CHATEAUX que criaram a classificação de hotéis e restaurantes baseada nos "5 C". Se não me engano calma, cortesia, charme, cozinha e caráter. Podemos perfeitamente nos apropriar dela para avaliar um bar. Mas vamos esquecer a calma, quem quer calma não deve ir para um bar (...).
O ambiente de um bar talvez seja mais determinante para atrair o público que o do restaurante, afinal o bar, mais que o restaurante e por definição, é ponto de encontro. É lá que vc vai pra encontrar seus amigos, dar uma paquerada...o bar tem uma coisa fantástica que é a abertura para um novo conhecimento, quer dizer, é um lugar pra encontrar quem vc já conhece e tb pra conhecer alguém!🍻
Então vc pode frequentar um bar porque seus amigos vão lá - e isso faz o ambiente pra vc - ou porque vc gosta do lugar, e não se importa especialmente de ir lá mesmo sozinho. A conveniência (ser perto de casa ou do trabalho) conta tb. Me interessa a atração pura e simples pelo lugar, o que é necessariamente subjetivo.
Eu gosto de ir às vezes à GROTE BIER lá no noroeste, embora vá mais assiduamente a outra cervejaria.




E que tal a cortesia (atendimento), o charme, a cozinha e o caráter da GROTE?! A cortesia, o charme e o caráter do bar compõem o seu ambiente, e eu diria então que a GROTE é uma boa cervejaria para casais e grupos, tem um bom ambiente para esse público. Tem uma mini biblioteca, um telão onde passam jogos, shows, e tem música ao vivo praticamente toda semana (às sextas).




Com 4 torneiras de chope e muitas cervejas (e uns poucos vinhos), o ponto forte da GROTE pra mim é...a cozinha;) Petiscos imaginativos e bem executados, com cerveja em várias receitas. Tem petisco árabe, alemão, brasileiro, tem caldos, tem doce. Até um irish coffee rola por lá! Excelentes as salsichas do holandês Graumans, e tb o trio árabe frio (ricota/carne desfiada/berinjela) com pães "que vão muito além da figuração" segundo o cardápio...As 'apanadas' feitas pela Carla são uma boa pedida para os solitários. Há tb pequenas porções de quibes e esfihas de massa folhada.



A nova administração fez bem à GROTE, fundada pela Paulinha anos atrás lá na 409 norte, ainda na época das extensas cartas de cervejas. Os sócios Romolo, Raphael, Tomaz (da família proprietária da Cervejaria SOLERUN lá no Rio Grande do Sul) e Bia estão fazendo um bom trabalho na GROTE, uma casa para a qual enxergo longa vida num bairro de alto poder aquisitivo.


Da dir. para a esq. Romolo e Raphael

Assim, pela ótima cozinha e o bom ambiente (quase familiar, eu diria), recomendo a GROTE BIER. Vou encerrar, já falei muito na GROTE, tô ficando com fome...;)



GROTE BIER
CLNW 10/11, Bloco A
NOROESTE

Cozinha/Bebidas - **1/2
Serviço - **+
Preços - **+
Ambiente - **+
Acolhida - não se aplica

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível

OSVALDO FILHO (QUEIJO D'ALAGOA, Alagoa-MG)

4 PERGUNTAS PARA OSVALDO FILHO, DO ‘QUEIJO D’ALAGOA’:  1) Então vc decidiu tentar salvar o queijo da sua região, vendendo o mesmo...