sexta-feira, 25 de setembro de 2020

TERRUÁ PEQUENA COZINHA AUTORAL (Brasília-DF)

QUEM COZINHA AFINAL?!

Caramba, morreu o grande Chef francês Pierre Troisgros, um dos monstros sagrados da nouvelle cuisine francesa! Não fazia ideia que já tinha passado dos 90. Teve vida longa e boa, pelo menos até onde eu sei. É algo que gostaria de ter feito na vida: Me hospedar no hotel da família em Roanne e, claro, jantar um dia no lendário restaurante que funciona dentro do hotel. Mas não comeria o emblemático 'salmão com molho de azedinha', e por uma razão muito simples: Não sou fã de salmão!;) Tá em tempo mas, por motivos óbvios, não tenho previsão de ida à europa... 

Chef Pierre Troisgros

Aqui no Brasil pode-se ter uma ideia do nível da cozinha do grande cozinheiro francês ao se ir a um dos restaurantes que seu filho Claude mantém no Rio de Janeiro. 

Olympe (Chef Claude Troisgros)

O Chef Claude Troisgros cozinha horrores, ninguém duvida, mas...bom, tornou-se um Chef celebridade, com programa de TV, dá entrevista toda hora, viaja, etc. Montou no Rio uma rede de restaurantes, tem restaurante gastronômico, brasserie, boucherie, bistrô. Tudo bem, mas pra vc comer uma comida preparada por ele acho que só se der muita sorte ou se ele for seu amigo (...). Vcs me conhecem, sabem que eu não sou de perder a piada...;)

Salmão com azedinha

A verdade é que muitos Chefs, após um certo tempo de carreira, seja por uma diversificação de atividades, seja por cansaço da rotina das panelas, seja mesmo por pura e simples vaidade ou até estrelismo, seja pela combinação de todas essas causas, afastam-se da cozinha e começam a delegar. Nem monstros sagrados escapam disso. Um exemplo? O maior de todos: O Chef  francês Paul Bocuse, ora. Nos últimos anos de vida - uns 20 pelo menos (...);) - era muito mais administrador de um grupo de restaurantes e escolas que cozinheiro! Cozinhava qdo. o cerimonial de um Presidente estrangeiro mandava avisar que o mandatário iria ao célebre restaurante nos arredores de Lyon, mas era quase impossível que estivesse cozinhando qdo. vc, provavelmente um (a) brasiliense de classe média que está me lendo, foi conhecer o restaurante nas suas férias, após fazer muita economia...sacou?! 👊

Chef Paul Bocuse

Chega dos franceses. E dos mortos.

Eu voltei a Piri, depois de longa e tenebrosa quarentena. Acho engraçado chamarem de quarentena uma situação que já perdura há 6 meses... vcs já pensaram nisso?! Novidade interessante na cidade é o TITA CAFÉ, no mesmo local onde funciona à noite o pub THE BRIAN BORU. Peça um crepe e...surpreenda-se!


Aqui em Brasília, vc pode não ter uma experiência memorável e glamourosa como a de jantar no estrelado restaurante de Roanne da família Troisgros, ou mesmo no OLYMPE carioca do Chef Claude, mas vc pode jantar muito bem, obrigado, no AUTHORAL ou no novo TERRUÁ PEQUENA COZINHA AUTORAL, e saberá quem cozinhou para vc: Os Chefs desses restaurantes!

Família Jabour

Tempos atrás, num memorável almoço na Embaixada da Itália, ao qual eu fui a convite do Chef Francesco Bravin (VITTORIA D'ITALIA), o Rei do carbonara brasiliense, conheci duas lindas meninas: Gabriela e Luiza, as herdeiras do tradicional bufê SWEET CAKE. Eu desconfio logo de herdeiro (a) de qq. coisa, numa boa, pois a gente nunca sabe o gosto e o jeito que o (a) herdeiro (a) tem pela/para (a) atividade dos pais!

Mais recentemente, soube que Gabriela abrira com o marido um restaurante quase ao lado da Confeitaria da família, na QI 21 do Lago sul: O TERRUÁ.

Chef Gabriela e Rodrigo

Antes de mais nada, eu tiro o chapéu pra quem investe num restaurante na QI 21, um ponto notoriamente difícil, em plena pandemia. 

Passando ao restaurante, vejo pontos de contato com o AUTHORAL. Mistura de restaurante e gastrobar, com pratos para compartilhar. Eu diria até que o TERRUÁ está mais pra gastrobar que pra restaurante. No TERRUÁ, há mesa compartilhável inclusive. Ambos são bonitos e modernos, com presença constante dos donos, bom sinal.



O TERRUÁ é uma das melhores novidades de Brasília. Comi muito bem, fui bem servido e paguei um preço justo nas duas vezes em que lá estive. 



Eu adorei a ideia do entrecôte com fritas e muita pimenta, uma ode à França. A massa com camarões num molho de tomates adocicado é tb original, bem pensada. Risotto de camarão ninguém aguenta mais, convenhamos...;) No mais, croquetes e bolinhos deliciosos com molhinhos idem, queijos, frios, mini hambúrgueres. Vinhos (bela carta), drinks e algumas cervejas artesanais harmonizam com os comes. As sobremesas são o ponto alto do restaurante, sensacionais, não as perca, e caso perca não me conte por favor, vou ficar chateado com vc...



Herdeira de uma confeitaria e com curso da especialidade na França, a jovem Chef Gabriela mostra que, além de herdeira, tem DNA próprio. Quando, 20 anos atrás, eu fui à SWEET CAKE da asa sul experimentar um salgado de camarão, não imaginava que uma então menininha filha dos donos da confeitaria iria um dia me deixar impressionado por causa de um doce. Vá ao TERRUÁ, lá vc sabe quem vai cozinhar pra vc...

À bientôt.

TERRUÁ PEQUENA COZINHA AUTORAL
QI 21, LAGO SUL

Cozinha - **1/2 (sobremesas ***)
Serviço - **1/2
Preços - **+
Ambiente - **1/2
Acolhida - **+

*** - Excelente
** - Bom/Regular
* - Sofrível








Nenhum comentário:

Postar um comentário

CHEF GABRIELA JABOUR (TERRUÁ PEQUENA COZINHA AUTORAL - Brasília-DF)

5 PERGUNTAS PARA CHEF GABRIELA JABOUR, DO RESTAURANTE TERRUÁ, BRASÍLIA 1- Então, parece evidente que o seu interesse pela cozinha vem das...